Boécio – A consolação da Filosofia – d.C. 480-525

Dialogando com a Vida

                                “Acaso existe algum homem que possua uma felicidade tão perfeita que não se queixe de algo”?

 

Filosofia

                                                                                                       

Livro I

Nas linhas iniciais do livro, Boécio nos brinda com a frase: “Quem se desvia é porque não estava no caminho certo” (p. 32). Percorrer os caminhos que a vida nos apresenta, requer dozes cavalares de coragem de seguir em frente e barganhar com os tombos diários. Isso percebemos na vida pessoal do autor, pois antes de ser privado de sua liberdade física, levara uma vida cheia de luxos, conquistas, onde a Fortuna lhe sorrira, mostrando à Boécio, os prazeres da vida. Claro, nem sempre temos o que queremos. Mas voltamos à prisão, ali é que Boécio vai descrever uma das páginas mais belas da Filosofia; prosa e verso caminhando juntos e construindo um diálogo que nos interroga sobre: o que é felicidade? O que é a providencia? Há um destino? O que é o bem? Enfim, o que vale a pena viver, porque vale a pena viver e para quem entregamos nossa existência?

Esse diálogo acontece em meios a torturas físicas e psicológicas gritantes, onde o corpo padece, mas o espírito se eleva, pois está diante dele, o que lhe acompanhou a vida inteira: a bela, harmoniosa, instigante, dialética, companheira de solidão, Filosofia. Ela, na figura de uma mulher, trilha com Boécio, o caminho até sua morte, pois fora acusado de traição. A Filosofia não trai Boécio, nem a nós. Nos carrega em seus braços nos momentos de lamento; com seu cajado, abre caminhos nas especificidades políticas de uma prática sem teoria, e, em sua mão direita, levanta o livro que nos ascende ao mundo das ideias, iluminando nossas atitudes concretas. Podemos perceber isso na fala de Boécio, quando diz que “(…) tinha um livro em sua mão direita e um cetro em sua mão esquerda” (p. 32). Eis a conexão de duas formas de ver e de agir no mundo.

Na sequência do diálogo, a Filosofia indaga Boécio de o porque dele ter caído, já que ela forneceu as armas para lutar frente a um mundo que oprime. Quantas vezes somos oprimidos e ficamos calados e nos afastamos por medo? Ela, a Filosofia, nos conhece, assim como conhecia Boécio. Mesmo assim, não nos abandona, pois “haveria eu de abandonar meu discípulo e não tomar também do fardo que suportas e da calúnia que te impuseram?” (p. 34). Ler essas palavras, é ler as entrelinhas de nossas vidas hoje, dentro de uma forma de viver para fora de nós mesmos, pois, cada vez mais, estamos nos tornando incapazes de construir diálogos com as ideias que permeiam nossas ações.

 Livro II

O livro II resume-se a uma frase que nos deixa inspirados a rever todas nossas escolhas, pois a mulher, a Filosofia nos cala, nos deixa sem palavras, captura toda a nossa atenção: “Após essas palavras, ela se calou por alguns instantes e, quando recapturou minha atenção após esse curto tempo de silêncio, prosseguiu nestes termos: Se eu compreendi perfeitamente as causas e a natureza de tua doença, creio que é por sentires profundamente a perda de tua fortuna anterior que desfaleces” (p. 45).

Boécio buscou a fortuna, uma vida cheia de bens que pereceram com o passar do tempo. Agora, sofre por essa perda, esquecendo do que realmente importa, uma vida regrada e pautada pela busca da verdade. Por que queixar-se por bens materiais? A filosofia nos pariu e nos deu a possibilidade de entender o mundo. Talvez, não somos proprietários das coisas, mas das ideias que temos.

E o diálogo prossegue, como uma tentativa de justificar a perda de algo que nunca teve em suas mãos.  Mas “acaso existe algum homem que possua uma felicidade tão perfeita que não se queixe por algo?” (p. 50). A busca por uma felicidade aqui, com bens materiais, status sociais, traz preocupações e nunca nos dará uma garantia de vida plena. Mas então, “por que então, ó mortais, buscais fora de vós mesmos o que se encontra dentro de voz?” (p. 51). A pergunta que não quer calar e faz Boécio refletir. Tempo, ele tem. A tortura física não se compra com a dor de uma consciência em constante ebulição. Qual o custo de tudo o que buscamos? Somos reféns de coisas que nunca possuiremos, apenas seremos possuídos por elas. A Filosofia tortura nosso espírito. Não deixa Boécio sozinho na cela. Como uma mãe, vai até o fim.

 Livro III

É evidente, na narrativa do livro III, a distinção de felicidade. Uma terrena, outra que está além deste mundo físico. Se temos a Filosofia como guia de nossas vidas, devemos deixar-nos conduzir por suas mãos. Só assim, alcançaremos a felicidade verdadeira. O desenrolar deste diálogo traz uma frase emblemática que, a Filosofia, nos interroga e afirma diariamente: “seja qual for o caminho tomado, o objetivo é sempre o mesmo: a felicidade.” (p. 63). Talvez devêssemos encerrar por aqui e deixar para os leitores apreciarem toda a implicação desse pensamento. Buscamos a felicidade em tudo que fizemos como seres humanos. Mas, a consequência da busca, impacta em nossos corações e mentes de uma forma gritante. Lembrando de Alice no país das maravilhas: “Se você não sabe onde quer ir, qualquer caminho serve”. Escolhemos a felicidade que nos faz, realmente, felizes, ou buscamos a felicidade que nos torna objetos, não protagonistas.

 Livro IV

No livro IV, Boécio trabalha a ideia de bem e mal e como isso impacta na vida humana, pois apesar da existência de um “ser bom que comanda o universo” (p. 88), o mal existe e corrompe as atitudes e pensamentos dos seres humanos. Essa será a tônica do diálogo que acontece na páginas do livro IV.

 Livro V

O embate entre Providência e Acaso, dá acabamento à obra. Leia e desfrute dos momentos finais de Boécio que, mesmo preso, esteve livre em pensamentos, cujo espírito criativo nos brindou com essa obra atemporal.             

                                                                                                       Filosofia


REFERÊNCIAS

BOÉCIO, Severino, 480-525. A Consolação da Filosofia. – 2ª ed. – São Paulo : Editora WMF Martins Fontes, 2012.

Leave a comment